24.4.12

Pixação gigante com extintor de incêndio no Brasil



Falaí manos, suave? Liga que milidias o jornal Folha de São Paulo teve o dom de publicar este video no YouTube para a matéria Grafiteiros trocam spray por extintores em SP dando um salve pra técnica do extinguinsher graffiti, aquela mesma do mestre Kidult, espalhando geral aqui São Paulo, BH, pindorama, uscambau.

Vai vendo copy paste na matéria da Folha:
Grafiteiros trocam spray por extintores
4/3/2012 - Jornal Folha de São Paulo
Vanessa Correa

Dispositivo é usado para pichar letras gigantes, muitas delas indecifráveis, que atingem até sete metros de altura. Muros de prédios, viadutos e túneis da região central e zona oeste estão entre as principais 'vítimas'

As indecifráveis letras espalhadas pelos muros da cidade são uma forma de arte ou apenas depredação de patrimônio? Um novo tipo de pichação, considerada vandalismo extremo até por quem a pratica, vai esquentar ainda mais essa discussão.

Grafiteiros paulistanos -alguns deles artistas renomados- estão trocando, em segredo, suas latinhas por extintores de incêndio cheios de tinta preta ou colorida. O resultado, torto e escorrido, devido à dificuldade de controlar o jato, começa a aparecer nas paredes, viadutos e túneis da cidade.
"Tags" (assinaturas) como VLOK, VERSUS, ENO, LARPUS E NAO (em maiúsculas, como são pichadas), com letras que passam dos sete metros de altura, fazem outras pichações, que normalmente não atingem os três metros, parecerem nanicas.

Em São Paulo, a técnica começou a ser usada há cerca de três anos, trazida por artistas brasileiros que voltavam do exterior. A partir do ano passado, ganhou mais adeptos e mais espaços. Em 2010, o artista nova-iorquino Krink pintou, a convite, a fachada do MIS (Museu da Imagem e do Som) usando um extintor. "Eu deixei alguns extintores com amigos depois do trabalho, e eles gostaram bastante de usar", conta Krink, que não se considera um grafiteiro.

Poucos pichadores (diferente de grafiteiros, que fazem desenhos) conhecem o método. Do ponto de vista de quem picha, ele tem a vantagem de produzir letras de grande impacto em apenas alguns segundos.

"Os caras ainda olham e pensam: como é que conseguiram fazer desse tamanho?", diz o grafiteiro paulistano A., que falou sob a condição de anonimato. "Se cair na mão de pichador, vai cair na mão de todo mundo."

E já há pichadores na fila. Como N., que pichou os muros das casas do juiz Nicolau dos Santos Neto, o Lalau, e do casal Nardoni, na época em que seus crimes alcançaram grande repercussão. Ele diz que está só esperando para ganhar o "brinquedinho" prometido por um colega grafiteiro para espalhar sua marca pela cidade: "OSBV", um abreviação da frase "os bicho vivo".

Na mesma moeda

Para o grafiteiro Mundano, esse tipo de vandalismo extremo "é uma resposta agressiva à prefeitura", que apaga as pichações e grafites com jatos de tinta cinza.

As pichações com o extintor não parecem conter nenhum tipo de protesto específico, mas trazem a mesma atitude contrária ao sistema de outros tipo de intervenção urbana. "De algum jeito, a gente quer atingir o sistema. Se não incomodar, a gente não vai mais fazer", diz A.

Mas uma ação com o extintor em São Paulo se destacou pelo tom de protesto. Em janeiro, um grupo munido de extintores praticamente lavou de azul a fachada da sede do Ibama na capital. A ação foi um protesto para lembrar o segundo aniversário da licença ambiental prévia concedida pelo órgão do meio ambiente para as obras da usina de Belo Monte, no Pará.




Liga nós essa foto no Tumblr Demo Art com maluco pixando o trem em movimento. Bem louco, 1-2 a tiazinha da Folha continuou a rima trocando idéia com uma pá de gringo:
Ultra vandalismo
4/3/2012 - Jornal Folha de São Paulo
Vanessa Correa

Los Angeles, Nova York, Paris (só para ficar entre as mais famosas) e, agora, São Paulo. A pichação com extintor, até há pouco restrita a um círculo de iniciados, começa a se espalhar pelo mundo.

"O extintor de incêndio não era popular até pouco tempo atrás", diz o artista americano Krink. Em agosto de 2010, ele cobriu de azul, verde e amarelo a fachada do MIS (Museu da Imagem e do Som), em São Paulo. "Agora, por causa da internet, está se tornando uma tendência mundial no grafite."

Krink tem razão. Basta uma busca no YouTube pela expressão "fire extinguisher graffiti" para encontrar 175 vídeos, a maior parte deles americanos e franceses, que mostram como surgem as letras borradas e escorridas. O efeito, inevitável, é na verdade um atrativo da técnica. "Tenho feito grandes marcas escorridas sobre superfícies. O extintor foi uma maneira de fazer marcas ainda maiores", continua Krink.

O grafiteiro Chivitz, que além de pintar na rua de São Paulo expõe sua arte na galeria Choque Cultural, acha a técnica "rápida, grande, com uma textura muito bonita, com bolotas, um escorrido".

Krink conta que o extintor começou a ser usado para fazer "tags" (assinaturas) por gangues da cidade americana de Los Angeles nos anos 1990, antes mesmo de se tornar popular entre os grafiteiros que pintam letras. Krink, que não se considera grafiteiro (grafite e pichação estão associados a ações não autorizadas, ou seja, vandalismo) usa a técnica em seu trabalho desde 2004.

Para os grafiteiros paulistanos com quem a Folha conversou, um dos precursores do extintor foi o nova-iorquino KATSU. Vídeos com seus trabalhos são os primeiros a aparecer em uma busca rápida pela internet.

Quem domina o traço, no entanto, é outro americano, que assina DEMOS. Ele é capaz de produzir com extintor as chamadas "bombs". São as assinaturas arredondadas com letras coloridas, normalmente contornadas de preto, associadas ao hip hop (movimento norte-americano que combina rap, grafite e a dança break).

O controle no traço só é obtido depois de algumas tentativas frustradas, diz Krink. "Demora um tempo para acertar o tamanho da letra. Um monte de erros horrorosos ocorrem antes de você dominar isso."

A Folha procurou diretores de importantes instituições de arte sediadas em São Paulo para falar sobre o tema. Todos estavam "fora". Outras pessoas do meio artístico com quem a reportagem falou preferiram não comentar o assunto.

É embaçado ou não é? Ligeiro post no blog Churisco - Extinguisher, pixando com extintor (23/3/2012) - registra o corre da banca Beside Colors pixando com extintor de incêndio a milhão, daquele jeito.

Fui, nem me viu!


-> Arquivo: 17.8.2006 : Handselecta, tipos de letras com graffiti e pixação
-> Coletando : Livraria Cultura: Livros Graffiti Brasil e TTSSS, A grande arte da pichação em São Paulo
-> Coletando : Mercado Livre : Pintura, Extintor, Tinta e Graffiti
-> Camisetando : Temas de Estampas : Arte da Rua

6 comentários:

Anônimo disse...

Por que esses vândalos urbanos não vão para o diabo?

Tupi Namba disse...

Suave? Se não forem pro diabo, se pam vão pra galeria de arte ou museu. Aí é embaçado :-)

odysseu disse...

isso é um absurdo...

Camisetas personalizadas

Anônimo disse...

Usar extintor é a coisa mais foda q eu ja fiz na minha vida HAUHAUAHUAHAHAJAHAUAH

Anônimo disse...

Kkkkkkkkk pixaçao sempre estará vivas, queime no inferno aqueles q criticam e não fazem nada em forma de protesto para essa prefeitura bandida q temos em sp, continuem ai com suas bundas imundas sentadas na merda do sofá reclamando otarios

Anônimo disse...

Poha viva a pixacao
"O.S" + + Mais Mais.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...