17.10.05

CLAP Conhecimento Livre e Aberto de Produção

Tux_ubuntu

Liga idéia mil graus do tiozinho José Monserrat Neto, professor da UFLA Lavras/MG e da APBES Associação Brasileira de Pesquisadores da Economia Solidária. Ligeiro fiz um copy paste do PDF do tiozinho lá no wiki da Taba. Olha a conversa:
Reflexão sobre o Modelo de Software Livre como Caminho para Construção de um Novo Sistema Econômico

(...) As várias atividades humanas são consideradas (por Mouzelis) como interdependentes, mas relativamente autônomas. Isso permite conceber o desenvolvimento social como aberto às surpresas da criação histórica (Monserrat 2004), e sustenta a concepção de Singer(1996) para o surgimento do capitalismo, em que o autor distingue a ‘revolução política capitalista’ da ‘revolução social capitalista’, concluindo que o capitalismo surgiu nos interstícios do sistema feudal e do sistema de oficinas artesanais, e não a partir de uma revolução burguesa.
(...)
A visão de Singer nos estimula a refletir sobre o potencial da Internet, bem como de suas ferramentas de trabalho cooperativo (e-cooperative work) e de democracia on-line (e-democracy).
Quem sabe se a Internet não seja a inovação tecnológica que possibilitaria a vantagem competitiva decisiva para a construção de um novo sistema de produção, já que permite o livre fluxo de informações e o trabalho cooperativo à distância, numa escala sem precedentes no mundo, talvez tão radical quanto foram as primeiras máquinas fabris do século XVIII? Não seria a Internet a invenção tecnológica passível de ser explorada plenamente apenas por organizações de caráter decididamente cooperativo e democrático? O curioso é observar que já existe um precedente, e muito bem sucedido: o sistema cooperativo de produção de software, da “indústria” de 'software livre de código aberto' (Free Open Source Software – FOSS).
(...)
Modelo de Produção de Software Livre em outras Áreas da Economia
Há uma diferença crucial entre entre a produção de software e a de bens materiais: o produto final. Software é um tipo de informação, imaterial em sua essência, fácil de ser copiado, distribuído e compartilhado. Já os bens materiais não podem ser “copiados”, e não são fáceis de se compartilhar. Como consequência, ao vender um bem material, o produtor é alienado deste.
(...)
Nas outras áreas econômicas, os bens materiais não são compartilháveis, como também não o são as ferramentas, máquinas e a infraestrutura física, de um modo geral. Porém, o conhecimento da produção (técnicas, know-how, blueprints, etc) é de fato compartilhável e muito semelhante ao software. Esta é a chave para se expandir o modelo de software livre para outras áreas da economia. No modelo capitalista tradicional, o conhecimento de produção é visto da mesma maneira que o software no modelo proprietário: o resultado de P&D e o conhecimento de produção são mantidos em segredo, apropriados de forma privada e, frequentemente, protegidos contra competidores por meio de patentes, de forma a garantir o monopólio da inovação. Assim, os custos de desenvolvimento do conhecimento de produção, bem como o monopólio sobre o conhecimento fechado, passam a ser embutidos no preço final do bem material, podendo resultar em produtos com preços exorbitantes, na escravização de consumidores e, é claro, em monopólios econômicos.
(...)
Inversamente, o conhecimento de produção poderia ser visto do mesmo modo como é visto no modelo de software livre: o conhecimento de produção poderia ser desenvolvido cooperativamente e apropriado coletivamente. Poderíamos chamá-lo de Conhecimento Livre e Aberto de Produção (CLAP), e imaginar um CLAP específico para cada área de produção, de TVs e carros a móveis e casas. Pode-se imaginar então um paralelo completo entre o modelo FOSS e o modelo CLAP.
Assim, no modelo CLAP, o conhecimento de produção, de qualquer área, seria desenvolvido numa comunidade voluntária de desenvolvedores, produtores e consumidores, cuja característica principal seria a de ser enorme, forte e amigável, baseada na cooperação, e não apenas na competição. Haveria uma característica-chave no modelo CLAP: suas licenças, do tipo GPL, manteriam livre todo novo conhecimento de produção desenvolvido a partir dos anteriores.
(...)
Deste modo, a produção do 'conhecimento livre e aberto de produção' (CLAP) se tornaria intrinsecamente cooperativa e conduzida pela comunidade. Além disso, o modelo CLAP propiciaria um novo tipo de negócio, baseado na venda de produtos materiais e serviços, só que a partir não dos resultados fechados de atividades de P&D, e sim do conhecimento livre e aberto de produção, desenvolvido cooperativamente e apropriado coletivamente. Organizações cooperativas abertas se sustentariam a partir da própria produção de bens materiais, e de serviços relacionados, ou seja, a partir do trabalho realmente efetuado para produzi-los. A competição seria então realizada entre os tipos, variedades, combinações e qualidade dos bens produzidos e serviços prestados. Presumivelmente, o modelo CLAP poderia ter várias consequências positivas: (a) inovações mais orientadas às reais necessidades dos consumidores; (b) conhecimento de produção mais rapidamente desenvolvido, e bens produzidos que o utilizam apresentando melhor qualidade; (c) cooperação e competição ambas amplamente estimuladas, acelerando o avanço tecnológico; e (d) escravização de consumidores e surgimento de monopólios naturalmente evitados. Esta visão é poderosa e utópica, mas qual seria a viabilidade real do modelo CLAP?

Viabilidade do Modelo CLAP

Algumas das condições que parecem imprescindíveis para tornar viável o modelo CLAP seriam as seguintes:
(1)Proteção efetiva do conhecimento livre e aberto de produção, que evite sua apropriação privada e quaisquer restrições a seu acesso público. A lei de patentes é o fator que mais complica o modelo CLAP. Algumas alternativas seriam: (a) uma licença do tipo GPL; (b) uma licença do tipo “patent-left”, similar à “copy-left”; (c) uma licença do tipo “creative common”, semelhante à usada para trabalhos criativos (Lessig 2004). Esta é uma questão em aberto.
(2)Massa crítica mínima de uma comunidade de desenvolvedores, produtores e consumidores, de modo a tornar auto-sustentáveis a abertura e manutenção de negócios CLAP, em qualquer área específica da economia.
(3)Ruptura na cultura individualista de construção do conhecimento e de abertura de negócios, por meio da criação de uma nova cultura de cooperação mais ampla e de negócios que poderiam ser feitos a partir dessa cooperação aberta.
Quem adotaria o modelo CLAP? A área de software nos ajuda a revelar respostas. Grandes empresas jamais adotariam o modelo FOSS. Do mesmo modo, a maioria das empresas tradicionais das outras áreas econômicas também não o adotariam, especialmente as grandes. O modelo CLAP talvez pudesse ser adotado por pequenas empresas (talvez parcialmente), por organizações sem fins lucrativos e não-governamentais. Creio que o modelo CLAP poderia ser adotado e desenvolvido por organizações cooperativas (Monserrat 2005a), especialmente as envolvidas na economia solidária (RBSES 2004).
(...)

Sentiu firmeza?
A revolução não será televisionada!

-> Taba : Cachimbando : Gurus : José Monserrat Neto : Reflexão sobre o Modelo de Software Livre como Caminho para Construção de um Novo Sistema Econômico
-> Compartilhando Banners : Livro - A Economia Solidária no Brasil. A autogestão como resposta ao desemprego.
-> Arquivo: 19.8.2005 : Etsy.com - Pelo fim da produção industrial em massa

2 comentários:

Rod Pendergrass disse...

Nice blog. Your posts were interesting reading. I have a hypertension remedies site. It covers everything about hypertension remedies as well as diabetes care, complications, treatment and insulin. You'll find it very informative. Please try and visit it, see what you think.
Rod

Kingypoo disse...

Very cool blog you got! I just added you to my bookmarks!

I have a great article resource you might want to check out.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...